Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

HOME

FEIRAS

&

EVENTOS

AGÊNCIAS

&

OPERADORAS

SAÚDE

DO

TURISTA

NOTÍCIAS

AVIAÇÃO

DESTINOS

CONTATOS

ENTREVISTAS

DESTAQUES

PUBLICIDADE

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Venda de Pacotes

São Paulo: (11) 3272 2530

Demais Localidades: 0800 634 2298

atendimento.lazer@bbtur.com.br

 

Venda de Passagem Aérea

Brasília (61) 2626 1236

Rio de Janeiro (21) 3005 9231

São Paulo (11) 2626 4390

lazer@bbtur.com.br

Matérias

Curiosidades

Opinião

Novidades

Fique Sabendo

JELSON DA COSTA ANTUNES - UM HOMEM DE SUCESSO

Grupo JCA (JCA Holding) é a empresa holding de um grupo brasileiro de transporte rodoviário de passageiros e cargas e turismo, fundado pelo empresário Jelson da Costa Antunes, com sede na cidade de Niterói/RJ.

Pertencem ao grupo empresas como a Auto Viação 1001, Rápido Ribeirão Preto, Auto Viação Catarinense, Rápido Macaense, Viação Cometa (que foi adquirida pelo grupo em dezembro de 2001) e Expresso do Sul, no segmento de transporte terrestre,

 

Após atuar como aprendiz de eletricista a cobrador, de motorista a gerente, resolveu comprar seu primeiro ônibus, em sociedade com um irmão, que foi reformado pelo próprio Jelson e agregado à frota da Viação Niterói.

Resolveu desfazer a sociedade com o irmão em 1949 e se transferiu para Macaé, comprando a Viação Líder, com apenas um único ônibus, atuando na linha entre Macaé e Quissamã, no interior do Estado do Rio. Continuou prosperando até ter quatro ônibus, mas decidiu vender a primeira empresa e comprar a Viação Niterói, da qual havia sido agregado.

 

Em 1968, Jelson Antunes possue 5 empresas de ônibus e adquire a Auto Viação 1001, que existia desde 1948. Após sua aquisição, funde todas as suas empresas à Auto Viação 1001.

 

Em 1991, decidiu pela criação da Holding JCA - iniciais dos nomes Jelson, Carlos (filho) e Amaury (genro), a fim de concentrar nesta o controle das 6 empresas de ônibus rodovíários que o grupo possui.

 

Em 2002, adquire a Viação Cometa, uma das maiores e mais famosas empresas de ônibus do país. O mesmo sempre acalentou o desejo de ter uma empresa com igual padrão de qualidade e, apesar de conseguir até mais de uma, resolveu comprar a própria Cometa, assim que surgiu a oportunidade.

 

Jelson chegou a construir um grupo de empresas que faturam por ano cerca de R$ 250 milhões, possui mais de 1800 ônibus que transportam mais de dois milhões de pessoas. Às 20h00 do dia 31 de julho de 2006, faleceu no Hospital Santa Cruz, em Niterói, vítima de um acidente automobilístico acontecido no dia 30/07 na Rodovia Niterói-Manilha. Após socorrido e medicado em Itaboraí, teve alta, mas voltou a sentir dores no dia seguinte e foi internado no Hospital Santa Cruz, Niterói, sendo submetido a uma cirurgia devido a uma perfuração no baço. O mesmo não resistiu à hemorragia interna.

 

Em 1948 foi fundada a Auto Viação 1001, tendo sido comprada por Jelson da Costa Antunes em 1968. A esta empresa, foram incorporadas outras empresas de Antunes: Auto Viação São José, Expresso Rio Bonito, Expresso Itaboraí, Vispan (Viação São Paulo-Niterói) e a antiga Viação 1001 que na época era considerada a terceira maior empresa de transporte rodoviário do Estado do Rio de Janeiro.

 

O empresário já possuía outras empresas e, em 1991, decide reestruturá-las, criando uma holding com o nome que usa as iniciais dos seguintes nomes: Jelson (seu próprio), Carlos (seu filho) e Amaury (seu genro). A nova empresa surgiu a fim de facilitar e centralizar a gestão de seus negócios.

 

O Grupo JCA é um dos maiores grupos de empresas de transporte rodoviário de passageiros do Brasil, possuindo uma frota de 1991 ônibus (sendo 1826 ônibus rodoviários e 165 ônibus urbanos), mais de 6500 colaboradores e 422 cidades atendidas nos estados de Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo e Rio de Janeiro).

 

 

Caribe carioca:

Fenômeno deixa mar cristalino e 7°C mais quente no Rio

 

Temperatura está em 23° C em 2015; média era
16° C em anos anteriores.

Mudança na direção do vento impede que água fria chegue à cidade.

 

Desde o início do verão, um fenômeno vem chamando a atenção de cariocas e turistas na orla do Rio. Com o mar cristalino e a temperatura quente, sete graus acima da média, as praias já estão sendo chamadas de "Caribe carioca", como mostraram o RJTV e o Jornal Nacional.

 

A temperatura da água está com média de 23°C, parecida com a das águas do Nordeste. Em anos anteriores, a água tinha temperatura de cerca
de 16° C.

 

Segundo especialistas, a mudança de direção do vento impediu o fenômeno conhecido como ressurgência, quando correntes de ar levam água fria às praias da cidade. Em vez de ventos do leste que trazem águas profundas, mais frias, da região de Cabo Frio, desta vez são os ventos vindos do sul e do sudeste que estão soprando.

 

"Esse vendo arrasta as águas superficiais de alto mar encostando no Rio de Janeiro. Ao encostar no Rio de Janeiro, ele então traz não só água límpida, mas traz uma água quente, que é superficial. O que está acontecendo é uma mudança no padrão do clima", explica o oceanógrafo David Zee.

 

A mudança nas correntes marítimas também deixou o mar mais claro. Outras espécies de animais começaram a aparecer com mais frequência. Na segunda-feira (25), três arraias foram flagradas pelo Globocop na praia da Barra da Tijuca, na Zona Oeste.

 

"Está muito quente. Nem o mar está dando refresco", disse o banhista em Ipanema.

Com um bebê no colo, a turista estrangeira aprova: "Muito melhor que as praias do Chile".

 

MIRANDA-MS PARAÍSO ECOLÓGICO DA NATUREZA

História

 

Fundada em 1778 a partir da construção do Presídio Nossa Senhora do Carmo do Rio Mondego, reduto construído pelo governador-general Caetano Pinto de Miranda a mando do Capitão das Conquistas João Lemes do Prado e seu objetivo era defender a região contra possíveis ataques de bandoleiros (Castelhanos de Assunção). Seu nome inicial era Mondego, que depois formou-se o povoado, este mais seguro.

 

Em 1835, o local passou a se chamar Nossa Senhora do Carmo de Miranda e sua comarca abrangeu todo o Planalto do Amambai. Em 1857, Francisco Rodrigues do Prado (irmão do fundador do presídio) conseguepor meio de lei provincial transformar a localidade em vila com o nome de Miranda, sendo uma homenagem ao ex-governador que iniciou a construção do presídio. Em 1865 o local é destruído pelos paraguaios durante a Guerra do Paraguai. Com o progresso a cidade é reconstruída novamente.

 

Turismo

 

É famosa no Brasil pelo Pantanal e pelo trem da ALL (antiga Estrada de Ferro da Novoeste e Estrada de Ferro Noroeste do Brasil - N.O.B.). Em Miranda o visitante encontra o roteiro terrestre em direção a Corumbá pela estrada parque. Na cidade(perímetro urbano) vale a pena conhecer as construções antigas como a Igreja Matriz Nossa Senhora do Carmo (em estilo barroco construída em 1931, uma das principais construções antigas e bonitas de Miranda), a antiga Estação da estrada de ferro que é a primeira estação construída no estado,hoje toda revitalizada integra o Trem do Pantanal que hoje é uma das atraçõesa turísticas do Estado, O prédio da antiga Prefeitura, O prédio atual da prefeitura(antiga residência dos padres)e o antigo Presídio da cidade(atual Forrozão), A Usina Velha Santo Antônio(Uma das primeiras construções da cidade).

 

Hoje em dia tem as seguintes contruções como a Casa da cultura terena que fica na entrada da cidade que tem as principais atrações indígenas da cidade,E O Parque de Exposições da cidade que tem a sua maior festividade o aniversário da cidade.Na área Rural destaca se a Ponte Metalizada da estrada de ferro que passa em Salobra,em direção a Corumbá.e as outrs estações da estrada de ferro que passa na zona rural como a de Agachi,de Duque estrada,da Fazenda Bodoquena, etc.

 

E também vale a pena conhecer as fazendas do Pantanal sul,com grandes variedades como,focagem noturna,safari ecológico,etc. Dentre as principais Fazendas Turísticas de Miranda Temos: Pantanal Ranch Meia Lua; Fazenda San Francisco; Fazenda Caimam; Fazenda Cacimba de Pedra; Fazenda Refúgio da Ilha,entre outras.

 

Como o turismo em Miranda vem crescendo, a população local busca nele uma fonte de renda, fazendo assim com que a diversificação da oferta turística no meio rural em relação as tendências da demanda, entre outros fatores, ocasione a expansão do mercado turístico. Com base nisso, essa pesquisa tem como objetivo realizar um levantamento dos aspectosrurais e culturais da região deMiranda/MS e apresentar suas potencialidades e perspectivasem relação ao turismo rural. O estudo se constitui numa abordagem qualitativa, de caráter documental e pesquisa realizada inloco onde foram feitasentrevistas semi – estruturadas na fazenda com funcionários e pessoas da região que se encontravam no local, buscando saber quais os impactos e influencias que o turismo causa na vida do homem pantaneiro, contudo, revelando que o desenvolvimento do turismo rural em Miranda encontra-se em fase inicial avançada, existindo necessidade de elaboração de um planejamento que permita a transformação dos atrativos em produtos turísticos.

 

Marapanim é palco do 9º Festival de Carimbó

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) aprovou, em setembro deste ano, o registro do Carimbó como Patrimônio Cultural do Brasil. É com esta temática que o 9° Festival de Carimbó de Marapanim será realizado no período de 16 a 18 de janeiro de 2015. O tema desta edição será “Carimbó do Pará - Patrimônio Cultural do Brasil”, e contará com apresentações de 10 grupos de carimbó confirmados, concursos de música e coreografias, homenagens a mestres do ritmo, entre outras atrações tradicionais do festival.

 

O lançamento da 9º edição do evento, que tem apoio promocional e de divulgação da Companhia Paraense de Turismo (Paratur) e institucional da Secretaria de Estado de Turismo (Setur), ocorrerá no dia 29 deste mês, ás 16h, na Praça Matriz, em Marapanim, no nordeste do Pará, região turística Amazônia Atlântica.

 

O Carimbó recebeu título de Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil em 11 de setembro deste ano pelo Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural, formado por representantes da União e da sociedade civil, em Brasília. O registro feito pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) é um instrumento de reconhecimento concedido pelo governo federal a um determinado bem, reconhecendo-o como referência cultural em todo o país.

 

Fotos e texto:- Jefferson Severino

 

Capital gaúcha abre Circuito Internacional

de Golf e Enoturismo no Brasil

 

A partir das 8h deste sábado, 15, o Belém Novo Golf Club, na Zona Sul de Porto Alegre, torna-se o campo oficial do Circuito Internacional de Golf pelos Caminhos do Vinho – Copa Los Haroldos, evento esportivo amador que percorre a Argentina, Chile e Uruguai e pela primeira acontece no Brasil com jogos em Porto Alegre e, numa seguda fase, em Cutiriba.  Na capital gaúcha o torneio segue até domingo, 16, quando acontecerá a cerimônia de premiação marcada para as 16h. São esperados de 70 a 90 participantes no campo de 36 buracos. De Porto Alegre sairão cinco jogadores, os melhores por categoria, que irão disputar a final internacional com os melhores jogadores dos demais países em Córdoba, na Argentina, entre 12 e 15 de dezembro. Quem vencer a final, participará em junho de 2015 de torneios nos Estados Unidos. As inscrições para o torneuio em Porto Alegre se encerram nesta sexta-feira, junto ao Belém Novo Golf Clube.

Empresa italiana abrirá hotel de luxo em Ponta Negra

O secretário de desenvolvimento Econômico de Maricá, Lourival Casula, comemora a chegada do Grupo Italiano Massoli em Maricá

 

A Prefeitura de Maricá ainda colhe os resultados da participação na feira de investimentos imobiliários Eire, em Milão, no ano passado. Na ocasião, os representantes do município no evento receberam 300 empresas em mais de 100 reuniões realizadas nos três dias de evento. O objetivo de tais encontros era o de oferecer a cidade como um pólo atrativo para novos investimentos, especialmente em infraestrutura e turismo. O retorno do interesse dos europeus pode ser traduzido pelo anúncio, esta semana, da implantação de um hotel de luxo em Ponta Negra. O empreendimento, italiano, pertence ao grupo hoteleiro Massoli, cujo portfolio inclui, entre outros, o sofisticado La Pergola, belíssima propriedade rural encravada entre as cidades italianas de Lazio e Umbria. O contato inicial com os representantes do grupo ocorreu durante a Eire.

 

De acordo com as primeiras avaliações, o hotel em Ponta Negra deverá ter algo em torno de 80 suítes de luxo e ficará em uma encosta próxima ao farol que dá nome ao bairro. Todas as acomodações terão vista para o mar. Tal qual no La Pergola e em outros cinco hotéis da empresa, o grupo Massoli planeja instalar também uma enoteca no seu novo projeto em Maricá. Para o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico de Maricá, Lourival Casula, a chegada de um empreendimento sofisticado como esse comprova que a estratégia de mostrar a cidade como o “hot spot” de investimentos no Brasil está correta. “Eles só chegaram até aqui porque apresentamos não só oportunidades únicas mas também um ambiente econômico atraente e seguro”, comemorou.  A previsão é que o empreendimento comece a operar em aproximadamente um ano.

 

PARABÉNS FLORIANÓPOLIS

A Ilha da Magia está em festa em plena segunda-feira. Uma maratona de oito horas seguidas de cultura e entretenimento para comemorar o aniversário da nossa capital Florianópolis. Eventos esportivos como um circuito de surf amador e um festival de skate, agitam a praia do Santinho. O corte do bolo de aniversário da cidade acontece às 11 horas no Parque de Coqueiros. E os parabéns serão cantados no Parque Ecológico do Córrego Grande. Com dezenas de praias, a Ilha da Magia é o segundo destino brasileiro mais visitado pelos turistas. Perdemos a posição durante o governo Raimundo Colombo, por cujo "governo" já passaram "apenas" seis secretários de turismo, demostrando o descaso pelo turismo que representa 12,5% do PIB catarinense. Este último não entende absolutamente nada da pasta.

 

Fonte:- Jefferson  jornalista

 

 

 

ABIH- ALAGOAS

 

De acordo com o último balanço realizado entre os hotéis da Associação Brasileira de Indústria de Hotéis de Alagoas, a média de ocupação hoteleira para o período da Semana Santa será de 66,67% dos leitos. Para os hotéis de padrão cinco estrelas a ocupação prevista é de 82%. A tendência é que esses números sofram alterações positivas devido à procura de última hora, principalmente por turistas regionais que chegam ao Estado por carro e ônibus. Segundo o presidente da ABIH-AL, Maurinho Vasconcelos o momento atual da economia brasileira não favoreceu ao mercado turístico de longa distância nesse período. Atualmente, turistas das grandes cidades brasileiras procuram por destinos similares a Alagoas fora do país. A maior concorrência que o Estado enfrenta vem de regiões como o Caribe que mantém tarifas atraentes apesar da alta do dólar.

 

TURISMO NA ÁSIA - CINGAPURA É PURA BELEZA

 

As estruturas do Grande Prêmio de Fórmula 1, aquele que lançou a moda das provas noturnas da categoria, vão sendo retiradas das ruas enquanto na Baía de Cingapura é erguido o palco para o mundial de canoagem. O Balé Bolshoi despede-se do Teatro Esplanade, abrindo espaço para uma montagem à Broadway de A Bela e a Fera. No ArtScience Museum, uma exposição grandiosa de Salvador Dalí dá vez à pop art de Andy Warhol. O chef três-estrelas Guy Savoy comunica o novo cardápio de seu restaurante. Na Orchard Road, dançarinos ensaiam hip-hop e artistas de rua se apresentam nas esquinas, indiferentes ao vai-e-vem dos muitos fequentadores as galerias e centros comerciais da via. Centro financeiro global, dono do segundo porto mais movimentado do mundo, sexto melhor lugar do planeta para “nascer” segundo a revista Economist e com uma população de altíssimo poder de compra, Cingapura talvez pudesse ser chamada de Reino da Impermanência.

 

O cenário não para de mudar nessa cidade-Estado de 700 quilômetros quadrados – uma Campinas – que se distribui por ilhas que no mapa parecem mero apêndice da Malásia. Cingapura cria landmarks um atrás do outro. A sensação de ontem (digamos: a piscina de 150 metros de comprimento do topo do Hotel Marina Bay Sands; a Singapore Flyer, segunda maior roda-gigante do mundo; a sucursal do parque temático Universal Studios) parece déjà vu hoje. Isso num lugar supostamente inviável até outro dia. Quem fica a contemplar as águas do Rio Cingapura desde os deques de tantos bares e restaurantes bacanas talvez não se dê conta de que o rio, até os anos 1980, era completamente poluído.

 

Cingapura é a prima rica do Sudeste Asiático, mas nem sempre foi assim. Fundada como entreposto colonial inglês, tornou-se independente em 1965 e manteve sua vocação comercial. Seus cartões de visita são o premiadíssimo aeroporto Changi (um dos 20 mais movimentados do mundo), que tem features para os passageiros como piscina, spa, cinema e computadores e uso gratuito, e seu moderníssimo porto. Em 2012, 13 milhões de estrangeiros colocaram o pé no país, mais que o dobro da população. À vocação comercial, Cingapura agora soma clara vocação turística.

 

 

Comida é arte

 

Eu fico pensando. Como um paulistano como eu (apesar de hoje viver em Bali e ter passado bom tempo de minha vida em Ubatuba) daria dicas de restaurantes para um gringo comer em São Paulo? Suponho que perguntaria primeiro sobre suas preferências gastronômicas e intenções de desembolso. Isso vale para Cingapura também, mas com diferenciais: aqui é servida comida asiática (tailandesa, chinesa, vietnamita) em padrões altíssimos de excelência. E em cenários lindos, inimagináveis em São Paulo. Concebe um jantar memorável à beira do Tietê? Às margens do Rio Cingapura, contudo, há deques muito agradáveis para quem quer comer e beber bem. Como plus, a visão dos barcos apinhados de turistas.

 

Os restaurantes mais românticos ficam no bairro de Boat Quay, onde mesas iluminadas por velas em castiçais dão mais sabor aos frutos do mar fescos. No vizinho Clarque Quay, o pique é mais jovem, com restaurantes se misturando a boates e suas fachadas de luz neon. Juntinho à foz do Cingapura, na Fullerton Square, vale reservar lugar no restaurante Palm Beach para comer caranguejos gigantes. A vista para a baía aos pés do Merlion, a estátua de um enorme leão (Singha) com corpo de peixe, o ser mitológico que deu nome à nação, não é cobrada como couvert artístico.

 

Cingapura também tem uma cena de comida de rua que não deixa nada a desejar. No Arab Quarter, a dica é o delicioso roti pratha, uma espécie de panqueca feita na hora com diversos tipos de recheio, como frango ao curry. Em Little India, o reduto indiano, quem gosta de comida desse país – e das suas pimentas – vai se divertir na Teka Centre. E, em Chinatown, a cerveja é mais barata do que em outras partes da cidade.

 

Os chefs-celebridades mundiais também marcam presença em Cingapura. Não por outra razão, a cidade recebe, no fim de fevereiro, a solenidade de premiação da 50 Best, a mais relevante lista da gastronomia mundial (conseguirá o Noma seguir invicto? E o D.O.M., sobe ou desce?). Mantém restaurantes em Cingapura gente como Mario Batali (do Osteria Mozza), Daniel Boulud (Bistro Moderne) e Guy Savoy, todos no Marina Bay Sands. Savoy dá um banho com seu menu Bites and Bubbles. Ostras com gelatina de gelo, lagostas com coração de palmito e vinho tinto e alcachofras em sopa de trufa negra valem a visita e não acabam com o seu patrimônio.

 

Mas não para por aí. Na Orchard Road fica o Iggy’s, até fevereiro o melhor restaurante asiático da 50 Best (e 26º do mundo). E na Armenian Street está o Fify Three, do chef local Michael Han, que já trabalhou no The Fat Duck, no Mugaritz e no Noma, trio de ferro da alta cozinha internacional. Seu menu degustação sai por US$ 200 (sem bebidas) e inclui pratos como barriga de porco com mostarda de Dijon e ervas cultivadas pelo próprio chef

 

Diversão em qualquer parte

 

Pode-se dizer que Cingapura é como Londres, Nova York, Tóquio, um desses destinos multiuso. É bom para quem está em lua de mel, dadas as opções high- end de hotelaria e gastronomia; para mochileiros – há gente do mundo todo, indo e vindo de e para países vizinhos, como Tailândia, Indonésia e China; e também, como é meu caso, para curtir em família. Sempre vou para lá com a Carol, minha mulher, a responsável pelas fotos desta reportagem, o miúdo Tiago, de 8 anos, e a baby Luisa, que acabou de completar 1 ano.

 

E é por estar nessa “configuração” que eu, que sempre torço o nariz para animais enjaulados, fui ao Singapore Zoo. E lá mudei um pouco meus conceitos. Vimos uma fila de orangotangos passar de mãos dadas bem ao nosso lado. Esses animais, seriamente ameaçados de extinção em seus habitats tropicais das ilhas vizinhas de Bornéu e Sumatra, pareciam ali bem felizes. Os olhinhos do Tiago, meu filho, brilharam quando os bichos, trepados nas árvores do recinto, começaram a fazer piruetas e dar cambalhotas. O espetáculo era digno de um documentário da National Geographic. Infelizmente, nesse dia, o famoso tigre branco não veio dar boa tarde, mas foi possível ver outros animais bem de pertinho. Compre o ingresso casado com o contíguo Night Safari (custa U$ 42). Entre o encerramento das atividades do zoológico às 5 da tarde, e a hora de entrar para “caçar” leões, elefantes e rinocerontes no breu a bordo de um trenzinho, dá para fazer uma gostosa boquinha.

 

Outro destino para toda a trupe é a Sentosa Island. Em seus 500 hectares, tudo é prazer: praias artificiais de areias bem branquinhas e coqueiros, beach clubs, parques temáticos, resorts, cassinos. Ali estão a sucursal da Universal Studios e suas áreas temáticas do Jurassic Park, Shrek e Madagascar. Mas há muito mais em Sentosa. Em um mesmo dia é possível surfar numa piscina de ondas, mergulhar num aquário para alimentar tubarões e ainda flutuar no espaço num túnel de vento, fazendo sky diving indoor. Ali, a diversão preferida do Tiago foi um tipo de tobogã com carrinhos de rolimã que descem no maior gás. Como dá para apostar corrida – e ele ganhou todas do pai –, queria sempre ir de novo. Em dezembro passado, para dar mais corda à face da Eterna Mudança de Cingapura, foi inaugurado em Santosa o Marine Life Park, tido agora como o maior oceanário do mundo. São 100 mil animais marinhos de 800 espécies, das gigantescas arraias-manta aos tubarões-martelo. Embora se venda como instituição interessada na preservação da vida marinha, o lugar foi alvo de ambientalistas ao importar 27 golfinhos das Ilhas Salomão, dos quais dois morreram.

 

Para os mais crescidos, a cena é agitada. Pela Esplanade passam espetáculos da Broadway. No ArtScience Museum, que flutua na baía como uma gigantesca flor-de-lótus metálica, há uma agenda de exposições bem bacana (já esteve ali o fotógrafo David LaChapelle, e agora está em cartaz uma seleção da agência fotográfica Magnum). Já vi ali uma enorme exposição de Salvador Dalí e outra de Andy Warhol, com direito à sua apropriação da famosa sopa Campbell.

 

O museu é também parte integrante do incrível Marina Bay Sands, o complexo de hotel de luxo, cassino e shopping center. Projetado pelo arquiteto israelense radicado no Canadá Moshe Safdie, custou a fábula de US$ 5,5 bilhões. São três torres gêmeas de 55 andares unidas por uma plataforma no topo dos prédios. O local, conhecido por Sky Park, pode receber 3 900 pessoas, e seu comprimento é equivalente a 4,5 vezes o tamanho de um Airbus A-380. Fica lá, a 220 metros de altura, a famosa piscina de 150 metros de comprimento e borda infinita contornada por altos coqueiros que foram transplantados de helicóptero. E também a discoteca badalada Ku-dé-ta, com vista de 360 graus. Na parte de baixo, o complexo engloba um hotel com 2 561 apartamentos, um cassino com 600 mesas e um shopping onde é possível fazer um tour pelas lojas de gôndola – não espere que o condutor cante O Sole Mio. Não por acaso o grupo proprietário do Marina Bay é o mesmo do The Venetian, o hotel-cassino gigantesco de Las Vegas.

 

Roda da fortuna

 

Outra brincadeira high-tech é a Singapore Flyer, que gira a 165 metros de altura (30 metros a mais do que a inglesa London Eye). Em cada uma das 28 cápsulas da roda-gigante cabem exatamente 28 passageiros. Os locais acreditam que esse número atrai prosperidade. A superstição e a crença nas teorias do feng shui são levadas tão a sério em Cingapura que, três meses após ser inaugurada, a Flyer teve a direção de sua rotação alterada. Acreditava-se que, no sentido original do movimento, do centro financeiro para o mar, a roda-gigante poderia mandar a riqueza da ilha embora. A roda então passou a girar para o lado da fortuna. Como é que os países europeus e os Estados Unidos não pensaram nisso?

 

Sedução nas vitrines

 

“Temos seis lojas Gucci, sete Burberry, cinco Prada e cinco Louis Vuitton espalhados por mais de 150 shoppings. Nosso povo adora comprar”, me disse Jung Lin, 39 anos, gerente de uma das lojas Louis Vuitton. “Shopping é a nossa igreja. Não temos tantas opções de lazer, por isso nos especializamos em seduzir”, completou. Talvez Lin estivesse sendo muito modesta, ou mesmo insincera, ao falar das poucas opções de lazer de Cingapura. Mas é fato que no país sempre haverá uma vitrine para mexer com os seus desejos. Estremeci no Funan Mall, o maior reduto de eletrônicos, onde adquiri um Mac e um iPad para a família. Lembre-se de guardar a nota para ter restituído, ao deixar o país, o imposto de 7% que os estrangeiros não precisam pagar.

 

Shoppings no Marina Bay Sands e na Sentosa Island (perfeito para produtos de beleza, como atesta a Carol) já encantam o suficiente, mas não deixe também de bater pernas na Orchard Road, onde estão a ION, o Paragon e o Takashimaya.

 

Sempre citada como uma das melhores cidades para viver, ainda mais para abrir negócios, Cingapura é vanguardista em soluções urbanas. Introduziu o primeiro sistema manual de pedágio urbano e agora aperfeiçoa uma lógica de controle em tempo real; a ideia é ter dados tão precisos de trânsito, meteorologia e deslocamento no interior do território que será possível ajustar inteligentemente, por exemplo, a oferta de táxis em toda a cidade. Cingapura também investe em dessalinização de água do mar para reduzir sua dependência da Malásia. O país ainda persegue metas sustentáveis. Em depoimento ao jornal local The Straits Times, Yaccob Ibrahim, diretor do IMCSD, um comitê governamental de desenvolvimento sustentável, afirmou que o modelo a ser seguido é o melhor possível: a Costa Rica, país que está em vias de se tornar o único do mundo a neutralizar sua emissão de carbono.

 

E há a impermanência. No começo do ano passado, vi do alto do Marina Bay Sands uma área de 100 hectares de terra tomada por uma brigada de tratores. No fim de 2012, a obra estava pronta: o Gardens by the Bay, uma floresta com 12 árvores metálicas gigantes interligadas por pontes suspensas e cobertas de orquídeas, bromélias e outras plantas estrangeiras – um verdadeiro mundo de Pandora de Avatar para desfrute da população e dos visitantes. As coisas aqui evoluem rápido, tudo muda, tudo cambia. Como minha querida São Paulo seria se vivesse nesse ritmo?

 

 

Corrupção no Brasil?  Não existe, é coisa de sua cabeça.......

Carlos Lacerda, Consultor em turismo rodoviário.

 

04 de março de 2015

 

No Brasil existem frases e posturas que nos fazem imaginar os benefícios recebidos por meios escusos, independentes do Mensalão e do Petrolão (os quais só tomaram vulto devido à quantidade de dinheiro e por envolvimento de partidos opositores), mas na rotina do País, sabemos que prevalece: “Amigos do Rei!”, “No fim tudo dá certo!”, “Tenho um Amigo que resolve.”, “Conseguimos algumas benesses.”, “Pagar imposto para quê?”.  Enfim, hoje em maior ou menor proporção, do pobre ao rico, em todas as classes sociais existem enraizadas atitudes que fortalecem as posturas corruptas.

 

Quando a Senadora falou que a Corrupção estava no DNA do Brasileiro foi muito criticada e, em um primeiro momento, pela emoção achei que ela generalizou e “pegou pesado”, mas, pela razão e pelos fatos históricos, vejo que ela acertou em sua afirmação. Iniciamos este tipo de comportamento na colonização do País e, atualmente, o Brasileiro é PHD.

 

Teremos um País melhor se revirmos nossos conceitos e nossas posturas e nos tornarmos verdadeiros cidadãos, se pararmos de adotar a “lei da vantagem ou do menor esforço” e podermos adotar simples atitudes, tais como: sermos cordiais no trânsito, não ultrapassarmos pelo acostamento, respeitarmos as filas, respeitarmos os direitos dos idosos e dos cadeirantes, não estacionarmos no acesso dos cadeirantes às calçadas, respeitarmos as ciclovias, não pagarmos para sermos aprovados nos testes para obtenção da CNH, cumprirmos a legislação e principalmente evitarmos situações que sejamos expostos ao “oferecimento“ de facilidades de agentes da autoridade. Enfim, se cada um refletir e concluir que de alguma forma e em algum momento está sendo corrupto ou corruptor em qualquer situação, hoje considerada “normal da rotina, pois é assim que funciona”, devemos parar e iniciar a mudança com ações e atitudes para podermos, de cabeça erguida e unidos, mudarmos o nosso Brasil.....Com certeza para melhor.

 

Temos Vergonha da Corrupção generalizada que assola nosso País, mas temos Orgulho de sermos Brasileiros e, por isso, a responsabilidade de mudança está em cada um de nós e em nosso dia a dia.

 

Nosso País é “Abençoado por Deus e Bonito por Natureza”, uma Grande Benção que todos nós temos a responsabilidade de preservar e nos conscientizar que toda caminhada começa com o primeiro passo, avante rumo à verdadeira cidadania.

 

 

Henrique Alves é o novo ministro do Turismo

A presidente Dilma Rousseff vai anunciar o ex-presidente da Câmara Henrique Eduardo Alves (PMDB) como novo ministro do Turismo.

 

O anúncio será feito juntamente com aindicação do filósofo Renato Janine Ribeiro, professor de Ética e Filosofia Política da USP, como novo titular do Ministério da Educação ainda nesta sexta-feira (27).

 

Ribeiro entra no no lugar de Cid Gomes (Pros-CE), que pediu demissão na semana passada. Ele acertou sua ida para o ministério com a presidente Dilma em reunião nesta sexta.

 

 

A maior  e mais profunda piscina do mundo

Mede 1012 metros de comprimento e ocupa uma área total de 8 hectares – no resort San Alfonso del Mar, em Algarrobo, no Chile, está a maior piscina do mundo, seis vezes maior que a ‘segunda classificada’, que fica em Casablanca, Marrocos. Como se não bastasse, os 115 metrosde profundidade fazem dela também a piscina mais funda do mundo.

 

Localizada em território chileno, e parte de uma estância privada, ela é maior do que 20 piscinas de tamanho olímpico juntas, tão grande que você, além de mergulhar, pode fazer caiaque, velejar ou até andar de iate.

 

A piscina gigante fica ao lado do oceano e suga a água do mar, através de um sistema digital de sucção e filtragem. Ao todo, é possível armazenar 250 milhões de litros de água neste espaço. O pior é o preço: estima-se que tenha custado mais de US $ 1 bilhão para ser construída e outros US $ 2 milhões serão gastos, a cada ano, pela manutenção.

 

 

 

 

Lagoa de Araruama - A 2ª MAIOR RAIA DO MUNDO

PARA PRATICAR ESPORTES NÁUTICOS

A Lagoa de Araruama é a maior fonte de recursos naturais para a economia do Município. É considerada o maior atrativo natural da região e é a segunda melhor raia do mundo para a prática de esportes náuticos - 192 km de perímetro e 220 km de área. Apresenta alto teor de salinidade devido a sua pouca profundidade (variável de 1 a 3 metros) e a conseqüente evaporação aliada ao baixo índice pluviométrico. Está localizada entre a Rodovia Amaral Peixoto (KM 106) e a Restinga de Massambaba - uma extensa faixa arenosa com 50 km de extensão que a separada do Oceano Atlântico. A Lagoa de Araruama banha os municípios de Saquarema, Araruama, Arraial do Cabo, São Pedro da Aldeia, Iguaba Grande e Cabo Frio. Ao seu redor encontramos as lagoas de Pitanguinhas, Vermelha e Pernambuca, todas localizadas na Restinga de Massambaba, compõem o complexo hidrográfico lacustre da Lagoa de Araruama. As margens destas lagoas localizam-se diversas indústrias de extração de sal - as salinas. Algumas delas são abertas a visitação e conhecimento do processo de produção do sal.

Um hotel em que os hóspedes entram casados e saem solteiros. E por vontade própria. É essa a proposta do Divorce Hotel (hotel do divórcio), que já existe na Holanda há três anos e vai começar a funcionar nos Estados Unidos este mês.

 

Na verdade, não se trata de um hotel específico, mas de uma empresa que tem parceria com alguns hotéis. São seis na Holanda, incluindo o hotel-boutique Carlton Ambassador, em Amsterdã.

 

O hotel Gideon, onde funcionará o Divorce Hotel nos EUA (Foto: Divulgação/WWW.DIVORCEHOTEL.COM)

ALERTA DE FRAUDE

A ABAV Nacional alerta para informativo fraudulento que circula em seu nome reportando cláusulas para o reajuste salarial do agente de turismo. Fique atento, não abra e não responda a mensagem, que não procede nem corresponde aos nossos endereços eletrônicos e pode conter vírus.

A TRAJETÓRIA DE UM GRANDE ÍDOLO

Ayrton Senna da Silva (São Paulo, 21 de março de 1960 — Bolonha, 1 de maio de 1994) foi um piloto brasileiro de Fórmula 1, três vezes campeão mundial, nos anos de 1988, 1990 e 1991. Foi também vice-campeão no controverso campeonato de 1989 e em 1993. Ele morreu em um acidente no Autódromo Enzo e Dino Ferrari, em Ímola, durante o Grande Prêmio de San Marino de 1994. Ele está entre os pilotos de Fórmula Um mais influentes e bem-sucedidos da era moderna e é considerado um dos maiores pilotos da história do esporte.

 

Senna começou sua carreira competindo por kart, onde era conhecido como "42", número que utilizou nos campeonatos nacionais. Mudou-se para competições de automobilismo em 1981, consagrando-se campeão do Campeonato Britânico de Fórmula 3 após dois anos de sua estreia. Seu bom desempenho na Fórmula 3 impulsionou sua ascensão à Fórmula 1, fazendo sua primeira aparição na categoria no Grande Prêmio do Brasil de 1984 pela equipe Toleman-Hart, tendo abandonado a corrida na 8a volta. Em sua primeira temporada, Senna conseguiu pontuar em 5 corridas, fechando o ano com treze pontos e a 9a posição na classificação geral dos pilotos. No ano seguinte, trocou a Toleman-Hart pela Lotus-Renault, equipe pela qual venceu seis Grands Prix ao longo de três temporadas.

 

 

Em 1988, juntou-se o francês Alain Prost (que seria seu maior rival em sua carreira) na McLaren-Honda e viveu anos vitoriosos pela equipe. Os dois juntos venceram 15 dos 16 grandes prêmios daquela temporada e Senna sagrou-se campeão mundial pela primeira vez. Prost levou o campeonato de 1989 e Senna retomou o título em 1990 - ambos títulos foram decididos por colisões entre os pilotos no Grande Prêmio do Japão. Natemporada seguinte, Senna faturou seu terceiro título mundial, tornando-se o piloto mais jovem a conquistar um tricampeonato na Fórmula 1 - façanha que foi mantida até o final da temporada de 2012, quando Sebastian Vettel chegou ao tricampeonato vencendo por três anos consecutivos. A partir de 1992, a equipe Williams-Renault dominou amplamente a competição. Ainda assim, Ayrton senna conseguiu terminar atemporada 1993 como vice-campeão, vencendo cinco corridas. Negociou uma transferência para Williams em 1994.

 

Sua reputação de piloto veloz ficou marcada pelo recorde de pole positions que deteve. Sobre asfalto chuvoso, demonstrava grande capacidade e perícia, como demonstrado em atuações antológicas nos GPs de Mônaco 1984, de Portugal 1985 e da Europa 1993. Senna ainda detém o recorde de maior número de vitórias no prestigioso Grande Prêmio de Mônaco - seis - e é o terceiro piloto mais bem sucedido de todos os tempos em termos de vitórias. Ele também foi aclamado por suas performances em tempo de chuva, como no Grande Prêmio de Mônaco 1984, o Grande Prêmio de Portugal de 1985 e o Grande Prêmio da Europa de 1993.

 

AYRTON SENNA- EXEMPLO DE BRASILEIRO

Campanha da Fraternidade 2015

 

Tema:“Fraternidade: Igreja e Sociedade”

Lema: “Eu vim para servir” (cf. Mc 10,45)

 

 

Montanha na fronteira entre o Brasil e a Venezuela tem sido mais procurada.

Visitantes chegam a 4 mil ao ano; passeios são a pé ou de helicóptero.

 

Antes impenetrável para qualquer um que não os indígenas Pemon, o Monte Roraima, situado na fronteira entre o Brasil e a Venezuela, tem atraído cada vez mais aventureiros modernos.

De topo plano e envolta por misticismo, a montanha de 2,8 mil metros de altura deixou exploradores do século 19 perplexos. Hoje, recebe vários milhares de escaladores por ano que vão em busca do trekking de três dias que passa pela savana, rios, debaixo de uma cachoeira e por um caminho estreito escalando os penhascos do monte.

 

Entre 3 mil e 4 mil pessoas escalam a montanha todo ano, enquanto alguns anos atrás eram centenas. Isso gera filas nos períodos de pico, perto do Natal e da Páscoa.

 

Helicópteros levam os turistas mais abastados, especialmente do Japão, até o topo.

 

“É um destino exótico e distante, então é ao mesmo tempo muito caro e muito atrativo”, diz o diplomata aposentado japonês Edo Muneo, de 68 anos, que teve que passar por um teste físico junto com outros compatriotas antes de deixar o Japão em direção a Roraima.

 

Lixo e Problemas

 

Apesar de essas multidões serem bem-vindas para a cambaleante indústria do turismo venezuelana, elas também espalham lixo indesejado pela paisagem pré-histórica e danificam um delicado ecossistema.

O Roraima é considerado solo sagrado pelos Pemons e um símbolo espiritual para muitos outros venezuelanos. "O monte já foi mais solitário e inóspito", diz Felix Medina, um guia de 59 anos que há mais de uma década leva pessoas para o topo da montanha.

 

Eu ainda amo esse lugar, mas há gente demais. Às vezes fica caótico"

Felix Medina, guia turístico

 

“Eu ainda amo esse lugar, mas há gente demais”, diz ele, com a panturrilha dolorida após levar dois grupos acima e abaixo do monte Roraima com a agência de viagens local Akanan. “Às vezes fica caótico”, diz.

Alguns amantes do monte Roraima querem que o governo, os operadores de turismo e os líderes locais Pemon criem regras para limitar o número de pessoas que podem subir ao topo diariamente. Eles também gostariam que as regras fossem aplicadas de forma mais estrita, para obrigar turistas e guias a recolherem todo o lixo com eles.

A venezuelana Cristina Sitja, de 42 anos, disse que ouviu falar do Roraima desde a adolescência e só conseguiu subir este ano. “Foi uma ótima experiência, mas triste também. Esperava que fosse mais tranquilo.”

 

Casa dos Deuses

 

Na língua Pemon, as montanhas de topo plano no sudeste da Venezuela são conhecidas como “tepuis”, que significa “casas dos deuses”.

Perto do Roraima fica Kukenan, outra tepui, famosa entre os indígenas por causa de ancestrais que cometeram suicídio pulando de lá.

 

Fora da estação, as duas montanhas têm uma aura pacífica apropriada para uma das formações mais antigas da terra. No vasto platô do Roraima, há rochas torcidas e estranhas, formadas quando os continentes africano e americano se separaram.

No clássico livro de 1912 “O Mundo Perdido”, do britânico Arthur Conan Doyle, dinossauros atacam um grupo de exploradores entre as rochas e os pântanos dessa paisagem fantasiosa.

 

Os viajantes atuais podem ver sapos negros, libélulas e tarântulas que são únicas dessa montanha, além de plantas

 

Monte Roraima enche de turistas e impacto ambiental preocupa

BOMBEIRO: O AMIGO DA SOCIEDADE

 

Quando o ideal é a vida, vale dar a vida por um ideal - Corpo de Bombeiros.

 

Em "hotel do divórcio", hóspede entra casado e sai solteiro

RIO 2016 LANÇA

IDENTIDADE VISUAL

ANUNCIE NO SITE DO JORNAL LAGOS TURISMO

 

MEDIDAS PARA EXIBIÇÃO NO SITE:

 

255 X 200 pixels

255 X 400 pixels

255 X 600 pixels

 

PRAZO DE EXIBIÇÃO: 30 DIAS

 

ENTRE EM CONTATO COM O

NOSSO DEPARTAMENTO COMERCIAL.

 

comercial@editoralagosturismo.com.br

 

Temos uma excelente negociação para você!

 

TOPO

Atendimento:

(21) 3031-9298

(22) 2624-4670

(22) 98136-5666

PRODUZIDO POR

(22) 98808-5237